português english
 
O que dizemos e o que dizem sobre nós
Imprensa
2016-12-05
Programas de Formação-acção

A Gestluz Consultores está a proceder à divulgação de programas de formação-acção para PME, com uma taxa de financiamento de 90% das despesas elegíveis

A formação-acção tem uma metodologia de intervenção desenhada à medida das necessidades da empresa e com uma aprendizagem em contexto organizacional, o que implica a mobilização em alternância das vertentes de formação (em sala) e de consultoria (on the job) promovendo o reforço das competências e qualificações dos colaboradores, contribuindo para o aumento da competitividade da empresa.

Neste sentido, solicitamos que manifeste o seu interesse através do preenchimento de um breve Questionário online para posteriormente entrarmos em contacto e apresentarmos o programa que melhor se adequa às actuais exigências da sua empresa.

Condições de Elegibilidade:

  • Ser micro, pequena ou média empresa - certidão PME emitida no site do IAPMEI;
  • Estar localizada na região norte, centro ou alentejo;
  • Obedecer à regra de auxílio de minimis dos apoios concedidos: não pode exceder 200.000€ durante um período de 3 exercícios financeiros;
  • Dispor de contabilidade organizada nos termos da legislação aplicável;
  • Manter a situação tributária e contributiva regularizada perante, respectivamente, a administração fiscal e a segurança social;
  • Apresentar situação líquida positiva com referência ao ano pré-projecto ou através de balanço intercalar posterior, reportado até à data da candidatura e devidamente certificado por um Revisor Oficial de Contas;
  • Não ser uma empresa em dificuldade, de acordo com a definição prevista no artigo 2º do Regulamento (UE) n.º 651/2014, de 16 de junho;
  • Não ser uma empresa sujeita a uma injunção de recuperação, ainda pendente, na sequência de uma decisão anterior da Comissão que declara um auxílio ilegal e incompatível com o mercado interno, conforme previsto na alínea a) do n.º 4 do artigo 1.º do Regulamento (UE) n.º 651/2014, de 16 de junho;
  • Não ter salários em atraso;
  • Não deter nem ter detido capital numa percentagem superior a 50%, por si ou pelo seu cônjuge, não separado de pessoas e bens, ou pelos seus ascendentes e descendentes até ao 1º grau, bem como por aquele que consigo viva em condições análogas à dos cônjuges, em empresa que não tenha cumprido notificação para devolução.

Contactos e esclarecimentos: Susana Rocha (srocha@gestluz.pt)